4 de jan de 2010

Ontem...


Ontem eu era um peso vivo
Língua navalha
Coração gelo
Sonhos vidro

Ontem eu era o indivíduo
A ovelha negra
A escória
O fedido

Vômito da ceia de natal
Ferrugem dos sorrisos matinais
Quem não cala e grita, diz, faz e complica
Equivocado transtorno do real

Não pague as promessas, nem se engane ou alivie
Pois ontem eu era o que hoje sou.

3 comentários:

Rodrigo Nazca disse...

owwwwwwwwn

oO
Ontem (domingo) você era/é a menina linda, a amiga que eu gosto tanto.

Rodrigo Nazca disse...

agora que percebi que esta também é uma postagem antiga...


e, sim, eventualmente...

Nikku disse...

Estático ser instável.