14 de jul de 2009

Exata controvérsia


Ei coração, porque corres? Para onde vais?
Estivesse tão bem acomodado, adormecido
És tão bobo que acordaste só para correr perigo?
Voltes a dormir e sem sonhar com o que por vir,
com esses amores surreais...

Sei que só queres liberdade
Poder ser e pulsar mundo a fora
Queres sentir e estar de verdade
Encontrar o complemento e a estabilidade.

Esqueça-te dos contos infantis
Todos aqueles doces, canções e cores
Escuta-me, não se pode amar e ser feliz
De todos os amores restam cacos, cinzas e dores.

Deixa-te calminho e a mim fiel
Cala esses jovens desejos, não sejas deslumbrado
Fique em paz e aconchegado na escuridão de nosso cárcere privado.

Um comentário:

Rodrigo Nazca disse...

vamos sair do cárcere privado para a liberdade incondicional... é muito mais belo!