22 de jun de 2010

Pouco a pouco você vai perceber...

- Alô? É, eeerm... sou eu! Hum, na verdade não sei ao certo o motivo desta ligação, eu só liguei e pronto, sem pensar, sem exitar, no impulso! É, no impulso, aquele mesmo impulso que te faz andar para lá e para cá pela casa, e de repente abrir a geladeira sem ter porquê, pois é, você sabe, foi assim. Então, mas já que estou ligando, poderia agora te falar diversas coisas que nunca pude falar, é, diversas! ou pelo menos, alguma delas. Porém, há um abismático problema nesse momento, é lidar com fato de que a qualquer instante fatal você pode desligar e aí, aí sabe se lá quando eu acumularei coragem suficiente pra te ligar novamente, e pior, quando você vai se dispor a me atender. Então, por favor, por favor ouça tudo que vou lhe dizer, então eu prometo... Não, eu não posso prometer!, mas, eu tentarei, tentarei com todas as forças, não mais por-me em seu caminho. Hum...
Aaah, está tudo tão bagunçado por aqui... Não, não, eu não estou falando da casa, essa por sinal está arrumadíssima, acho que adiquiri uma certa compulsão em mantê-la limpa e perfumada, tal qual você a deixava, para vê se te sinto ao fechar os olhos e respirar esse cheirinho de alvejante. Tá, tá bom, eu não quero ocupar muito do seu tempo, então... eu posso começar te pedindo desculpas? É, esse é o primeiro passo! (...)
Me desculpe por encostar minha mão na sua, por te transmitir de alguma forma estranhamente telepática, todas as minhas vontades, de uma maneira explosiva que fez com que elas também tornassem-se suas vontades. Me desculpe por meus olhos confusos, pelos segredos que guardei, pelos escudos. Me desculpe pelas flores que arranquei, que despetalei. Me desculpe pelos sorrisos largos, eu realmente não quis te sugar para dentro deles. Me desculpe pelos gigantes pensamentos na madrugada, não era minha intenção que eles fossem tão grandes a ponto de chegarem até você. Me desculpe por todas as vezes que eu senti vontade de dizer-lhe "Eu te amo!" e não disse. Me desculpe pelos meus joelhos, meus dedos, minha língua e tudo que eles te fazeram ouvir. Me desculpe pela música, pelos alertas que por minha culpa você não se preocupou. Me desculpe pelas palavras aconchegantes, pelas escorregadas, pela minha impotência emocional, pelos vazios, pelo inevitável veneno, pela queda. Me desculpe por mim, por todo esse meu eu que passou por aí e te arrastou para essa minha estrada de destruição. No entanto, essas desculpas não alteram o peso dos fatos, mas... Eu quero mesmo me desculpar por te ligar a essa hora, eu não tenho esse direito... Acontece que algo quase forçou-me a te ligar, forçou-me a te cientizar que hoje, somente hoje, eu percebi que me mudaria de mim para conseguir estar aí, ao seu lado, morando nesse eu que você projetou em você, de mim.

Um comentário:

Vitória disse...

Wow! Esse texto poderia ter saído de mim, quase me vi adivinhando o que viria depois e logo depois... Incrível!